Posse de Diretoria Executiva e Conselhos para o biênio 2018-2020

nova diretoria do CCLA Biênio 2018-2020 (2)Em 4 de abril de 2018 realizou-se a Assembleia Geral Ordinária, de prestação de contas, eleição e posse da Diretoria Executiva e Conselhos com mandato de 2018 a 2020. O Presidente do CCLA abriu os trabalhos e por indicação do associado, Historiador Jorge Alves de Lima, aclamado pelos presentes assumiu a presidência da Assembleia, para conduzir os trabalhos, o sr. Giovanni Galvão. Foi instalada a assembleia conforme art. 26 do Estatuto Social. O Presidente da Assembleia agradeceu a presença de todos e falou de sua alegria e honra ao presidir esta assembleia do CCLA, que disse considerar a instituição cultural por excelência de Campinas. Passou à prestação de contas do exercício das atividades da diretoria em 2016/2018 e aprovação do balanço do exercício de 2017. O Presidente da Diretoria Executiva, Prof. Alcides L. Acosta, explanou sobre os relatórios, com detalhada exposição das atividades desenvolvidas ao longo deste mandato. Pediu a palavra o Diretor 1o. Secretário para informar, quanto ao balanço, que as contas da entidade estão bem e em ordem. Colocadas conjuntamente em votação as matérias foram unanimemente aprovadas. Em seguida, passou-se à eleição da diretoria executiva e Conselhos. O Presidente da assembleia informou sobre a inscrição de apenas uma chapa, denominada “Chapa Sant´Anna Gomes” constituída da seguinte forma: Diretoria Executiva: Presidente, Prof. Alcides Ladislau Acosta; Vice-Presidente, Dra. Clarissa Waldige Mendes Nogueira; Secretário Geral, Dr. Luiz Carlos Ribeiro Borges, 1º. Secretário, Dr. Reinaldo Camargo Rigitano; 2º. Secretário, João Luiz Portolan Galvão Minnicelli (Giovanni Galvão); 1º. Tesoureiro, Prof. José Homero Adabo; 2º. Tesoureiro, Arley Bonafé Zarattini; Diretor Social, Prof. Duílio Battistoni Filho; Diretor de Sede, Antônio Pedroso de Carvalho Neto; Conselho Deliberativo, Dr. Agostinho Toffoli Tavolaro; Days Peixoto Fonseca; Dra. Lenita Waldige Mendes Nogueira; Eng. Marino Ziggiatti; Eng. Fernando Pina Figueiredo, Dr. Jorge Alves de Lima; Conselho Fiscal, Dr. Augusto Cesar Scorza, Dr. João Plutarco Rodrigues de Lima, Dr. Antônio R. Z. Aboin Gomes, Suplente, Orlando Rodrigues Ferreira. A chapa foi aclamada vencedora por unanimidade.
Cumprindo-se o art. 32 do Estatuto Social, foi dada em seguida solene posse a todos os eleitos. Dada a palavra ao Presidente eleito, este agradeceu sua recondução ao cargo de direção superior deste CCLA, afirmando que os colegiados têm dado continuidade ao ideário dos instituidores desta longeva e centenária instituição, ideário que aflora na vida cultural de Campinas, com pessoas que se esmeram por mantê-los. Acentuou que há ainda muito por fazer e encara esses desafios como oportunidades. A recuperação da sede, fachada, instalações elétricas e hidráulicas, concretizando-se, se possível, o sonho do Engenheiro Marino Ziggiatti, de construção da nova sede, sonho que a cada dia se mostra, lastimavelmente, mais distante. A nova sede constituiria, evidentemente, um novo rumo, nova vida, novo momento para o CCLA, mas nada se faz sem recursos. Concitou os novos diretores a frequentarem assiduamente as reuniões de diretoria e Conselhos. Esta fala foi longamente aplaudida pelos associados. Pediu a palavra o 1o, Secretário, Prof. Rigitano, para informar que a atuação do Presidente Alcides Acosta tem sido muito eficiente e dedicada, mostrando-se este um digno sucessor do realizador Marino Ziggiatti, cujo amor à instituição é sempre reconhecido por todos. O Secretário Geral, Dr. Luis Carlos Ribeiro Borges, que endossou as palavras ditas e, como diretor mais antigo, reconheceu a dedicação e empenho do Presidente reeleito, dizendo que o Dr. Alcides realmente “vestiu a camisa” do CCLA por seu caráter aglutinador, que é a base do trabalho de qualquer bom presidente, tendo ele conseguido reunir um grupo realmente atuante e eficiente.



O CCLA - Centro de Ciências, Letras e Artes é uma entidade cultural particular e sem fins lucrativos fundada em 31 de outubro de 1901, na cidade de Campinas/SP, por um grupo de cientistas, artistas e intelectuais que decidiram criar uma instituição em que se pudessem reunir para o estudo e a produção de atividades científicas e artísticas.